Banner
Busca
Publicidade



Promoções








Serviços
SINE
Parceiros
Banner Banner
Início » Notícia

Osmando pede que suposto crime cometido por servidor seja apurado

Mário Debique pode sofrer processo administrativo por tentar usar o cargo de assessor no SAAE para travar contratos da autarquia


O prefeito Osmando Pereira pediu que fossem juntados documentos e informações que comprovam os indícios de um suposto crime de peculato cometido pelo assessor de comunicação do SAAE, Mário Debique, em janeiro, mas que só vieram à tona recentemente. Diálogos publicados pelo Jornal S’Passo em abril deste ano, entre Mário Debique e a vendedora de publicidade Magna Lima, mostram como o radialista aproveitou do cargo que ocupa na administração indireta para tentar barrar a renovação do contrato da autarquia com a TV Cidade como forma de pressionar a emissora a agilizar o acordo para a veiculação do seu próprio programa “Interessante: com Mário Debique”. É para apurar esses indícios de crime contra a administração pública que mais informações estão sendo reunidas na Prefeitura para a instauração de uma sindicância que será apresentada ao diretor geral do SAAE, Marcos Vinício Ferreira, nos próximos dias e pode culminar com o afastamento do servidor.

A sindicância vai apresentar ao SAAE mais indícios de comportamento irregular de Mário
Debique enquanto servidor municipal. Em março desse ano a assessoria de comunicação da Prefeitura montou um dossiê em que foi apresentado ao prefeito o comportamento pouco profissional do servidor durante o expediente de trabalho, acusado de postar na internet textos e informações de conteúdo pejorativo contra a administração municipal e também contra a honra e a moral de outros servidores públicos.
Por causa da atitude do assessor, que deveria zelar pelos interesses da autarquia, a Prefeitura baixou um decreto proibindo o uso de Facebook e outras redes sociais na administração municipal.

Todas essas informações serão analisadas, a partir de agora, por uma comissão formada por três servidores efetivos do SAAE, além do diretor geral da autarquia. Essa comissão vai conduzir o processo administrativo e determinar se Mário Debique continua ocupando cargo de confiança no governo municipal, recebendo salários que ultrapassam R$ 1.200,00 e trabalhando durante meio expediente, somente na parte da manhã.

Se ficarem comprovadas as denúncias, Mário Debique pode ter que responder na Justiça pelo crime de peculato, um dos tipos penais próprios de funcionário público cometido contra a administração e pegar de 2 a 12 anos de prisão, além de ter que pagar multa.

Será também na Justiça que pode ter o desfecho de outro processo administrativo instaurado no SAAE e que era mantido em sigilo até que Mário Debique deu publicidade ao fato no Facebook e denunciou dois servidores da autarquia de estarem envolvidos em um escândalo sexual. Se os servidores acusados conseguirem provar que não mantiveram relações durante o expediente, a própria prefeitura e os acusados poderão denunciar Mário Debique.
 

© Jornal S'Passo - S'Passo Produções Jornalisticas LTDA. Fone: (37) 3241-2077
Layout: Original P&P Comunicação | Desenvolvimento: WIDS - Internet Development and Systems