Segunda, 20 Novembro 2017

Júri Popular condena acusado de esfaquear e jogar ex-mulher de carro em movimento

Publicado em Policial Segunda, 11 Setembro 2017 11:50
Avalie este item
(0 votos)

 

 

 

 

 

Na segunda-feira, 04, foi condenado pelo Júri Popular da Comarca de Itaúna o réu Expedito Nestor de Morais, acusado de cometer feminicídio contra a ex-companheira, em 12 de fevereiro deste ano. Expedito ganhou a pena de 16 anos de reclusão pelo crime de homicídio triplamente qualificado pelo motivo torpe a razões da condição do sexo feminino. 

O homem, de 38 anos, esfaqueou Meire Aparecida dos Santos, 34,  no bairro Aeroporto. Após ser atingida na altura do tórax, ela foi atirada de um veículo em movimento, conforme as informações apuradas durante o andamento do inquérito. A vítima chegou a receber socorro do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – Samu – e do Corpo de Bombeiros, porém, não resistiu aos ferimentos. 

Testemunhas relataram que ao cair do carro, Meire ainda estava consciente e contou que havia sido atacada pelo ex-marido. Ele se entregou à Polícia Civil quatro dias após o crime e confessou a autoria. Familiares da vítima afirmaram que a relação dos dois era conturbada. Segundo os parentes, eles travavam batalha judicial a respeito da pensão devida por Expedito aos filhos do casal, que tinham menos de dez anos na época, e que o processo poderia ter motivado o assassinato, já que uma audiência estava marcada para data próxima. 

Outro caso

Também nesta semana, Iago Correia da Silva foi sentenciado a 14 anos de prisão. O jovem, de 22, enfrentou o Júri Popular na quarta-feira, 06. Ele já havia sido condenado a cumprir oito anos por tentativa de homicídio contra Erlon Luís da Silva, no Novo Horizonte, em 10 de abril de 2013, entretanto, respondia em liberdade. 

Em 15 de julho do mesmo ano o jovem arquitetou e executou, juntamente com comparsas, Fernando Evangelista Gomes, de 34 anos, no mesmo bairro. Os jurados também consideraram que Iago agiu por motivo torpe, em razão de dívidas de drogas por parte da vítima, impossibilitando defesa da mesma, que foi alvejada sem chances de defesa. 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd