Segunda, 21 Agosto 2017

Deputados ligados a políticos de Itaúna votam a favor do arquivamento de denúncia contra Temer

Publicado em Política Segunda, 07 Agosto 2017 15:04
Avalie este item
(0 votos)

 

Dos 53 deputados mineiros na Câmara Federal, 33 deram votos favoráveis para que o Supremo Tribunal Federal – STF -, não dê continuidade ao inquérito resultante de denúncia da Procuradoria-Geral da República – PGR -, contra o presidente Michel Temer, acusado de corrupção passiva. Do total de representantes do Estado no Congresso Nacional, houve uma ausência, de Eduardo Barbosa (PSDB), cuja esposa faleceu em um acidente automobilístico nesta semana. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça – CCJ -, Rodrigo Pacheco (PMDB), com quem o vereador de Itaúna, também peemedebista Alexandre Campos tem grande afinidade, pediu abstenção. 

Minas Gerais foi peça fundamental para o arquivamento da acusação formal da Procuradoria da República a Temer. Foi o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB), apoiado na cidade pelo parlamentar itaunense, Antônio José de Faria Júnior, o Da Lua, de quem é correligionário, o relator do parecer que recomendou a rejeição da denúncia de corrupção contra o presidente Temer na Comissão de Constituição e Justiça - CCJ.  Entre os que têm bases eleitorais em Itaúna, disseram sim para o arquivamento Marcelo Aro (PHS), Jaime Martins (PSD) e Domingos Sávio (PSDB). 

A sessão, realizada na quarta-feira, 02, durou cerca de oito horas, em que foram contabilizados 263 votos favoráveis ao parecer de Abi-Ackel e 227 contrários. No total, 19 parlamentares se ausentaram e dois abstiveram de votar. Com a decisão, a denúncia contra Temer por este crime só poderá ser eventualmente analisada após o peemedebista deixar o cargo.

 

Deixe um comentário

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd