Quarta, 15 Agosto 2018

PRTB confirma nome de Isac Vieira na disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa

Publicado em Política Segunda, 06 Agosto 2018 11:49
Avalie este item
(0 votos)

 Empresário do ramo de eventos apresenta propostas, enquanto aguarda abertura do prazo para registro

Em continuidade à série com os pré-candidatos da cidade a deputado estadual e federal, o JORNAL S’PASSO traz o posicionamento e propostas de Isac Vieira, do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro – PRTB. As entrevistas são realizadas por ordem alfabética, sendo ouvido, a cada semana, um pretenso concorrente a uma vaga na Assembleia Legislativa de Minas Gerais – ALMG –, e um postulante a uma cadeira na Câmara.

Nesta edição, seriam entrevistados Hélio Pinheiro e Gustavo Mitre. Porém, o primeiro não foi localizado e o outro optou por não falar neste momento. A reportagem chegou a entrar em contato com o Partido Trabalhista Cristão – PTC –, ao qual Hélio é filiado, sendo informada que não é permitido passar o contato de membros. O JORNAL S’PASSO deixou telefone com o PTC, no entanto, até o fechamento desta matéria, a reportagem não foi procurada.

Já Gustavo Mitre alegou que aguardará a convenção partidária, quando terá uma confirmação sobre os caminhos de uma possível candidatura. Dando prosseguimento à lista de pré-candidatos, divulgada por movimentos políticos da cidade, tentamos contato com Leonardo Lopes, que anunciou a intenção de concorrer ao cargo de deputado federal, mas, não conseguiu falar em nenhum dos números disponibilizados. Depois, a redação recebeu comunicado sobre a desistência do advogado em disputar o pleito.

 Compromisso com a moralização

 Isac Vieira é empresário, tem 50 anos, nasceu em Pitangui, mas mora em Itaúna há três décadas e meia. Na política, já participou do processo eleitoral em campanhas, entre as quais, de Hidelbrando Canabrava, Francisco Ramalho, Osmando Pereira da Silva, Neider Moreira, Antônio de Miranda, Gustavo Mitre, Eugênio Pinto e Newton Cardoso. O pré-candidato está filiado ao PRTB desde abril de 2018. Da mesma forma que aos demais entrevistados, a primeira pergunta foi sobre os motivos que levaram Isac a colocar o nome como possível candidato à Assembleia Legislativa.

“Neste momento pelo qual o país está passando, com essa imoralidade na política, eu percebi que as pessoas que sempre ajudaram na política, que se importam com a política, começaram a ‘lavar as mãos’, a não querer mexer com isso mais. Eu vi uma necessidade muito grande de mais engajamento. Política é uma coisa séria. Não é porque os políticos que estão com mandato estão fazendo essa roubalheira no país, que devemos desistir dela. Eu também estou revoltado e estou entrando por isso. Se eu não tenho quem me represente, eu me propus a tentar resolver isso. Muitos amigos também falaram: ‘você nunca foi vereador ou prefeito, você trabalha em muitas cidades’. Então, eu acabei aceitando. Nós estamos em um grupo muito bacana, que entrou comigo. Não é um projeto pessoal, nós pretendemos ter um mandato participativo, principalmente em nossa cidade. Eu aceitei o desafio!”, disse Isac.

Durante o diálogo, o pré-candidato destacou que é importante que tanto candidatos quanto o eleitorado entendam o que cabe ao detentor de cada cadeira fazer.

“A primeira coisa que a pessoa precisa saber antes de se candidatar em qualquer tipo de pleito político, é o que é Executivo e o que é Legislativo. Eu ouvi muito pré-candidato a deputado fazendo campanhas para governador. Um deputado tem a função de fiscalizar o governo, propor emendas, fazer leis. Um deputado estadual hoje, eu acredito que deve ter R$ 1,7 milhão em emendas, por ano. As pessoas precisam saber primeiro o que é função de um deputado. Muitos se elegeram como vereador, por exemplo, e até hoje não descobriram qual que é a função do vereador. A mesma coisa é o caso de deputado”, opinou.

Sobre as propostas, caso seja eleito e venha a assumir uma cadeira na Assembleia Legislativa de Minas Gerais – ALMG –, Isac declarou que pretende trabalhar para auxiliar os executivos municipais e estadual na busca por soluções para os problemas existentes e também por alternativas que proporcionem a geração de empregos.

“Nós pretendemos ter um bom relacionamento com o Estado, com os municípios que possivelmente podem vir a nos ajudar. Além de ouvir as demandas de Itaúna, estamos viajando por toda Minas Gerais, ouvindo os mineiros, e nós precisamos de emprego. O mineiro precisa trabalhar, precisa ter dinheiro. Todo mundo já carrega a bandeira da educação e da saúde e isso não está funcionando porque o sistema está viciado, corrompido. Nós não vamos ser demagogos e ficar falando na educação. Se nós formos eleitos, vamos fazer bancada, propor ao governador ajuda para fazer funcionar o que já temos. Não precisamos criar coisas novas, temos que fazer o que existe funcionar. Nós temos dinheiro para saúde e educação, só que a coisa não está funcionado, não está bem gerenciada. Então, nós podemos ajudar vendo onde está o erro”, contou.

Ainda sobre o setor econômico, Isac falou sobre a possibilidade de parcerias entre as cidades da região.

 “Nova Serrana teve um PIB anual de mais de R$ 3 bilhões, uma cidade menor que Itaúna. Eu tive a oportunidade de conhecer Nova Serrana quando ainda tinha 15 mil habitantes e olha o tamanho que está hoje. Nós não temos dificuldade nenhuma, por ter bom relacionamento com o prefeito, com o presidente da Câmara e empresários de Nova Serrana, de trazer um gancho de lá para Itaúna. Temos muita mão de obra barata em Itaúna, porque tem muita gente desempregada. Nós pretendemos carregar essa bandeira, trabalho, trabalho e trabalho! Se tiver emprego, a pessoa paga, mesmo não concordando e não sendo justo, por educação, paga a consulta dela, gasolina... Agora, sem uma ocupação no mercado, não tem como nem ela se locomover. Primeiro nós precisamos dar condições para o nosso povo sobreviver e é isso que não está acontecendo. Ele não tem saúde, não tem educação e também não tem dinheiro para pagar por isso”, expôs.

Isac comentou ainda sobre a situação dos produtores rurais de Minas Gerais, o que também acaba gerando impacto na economia.

“O produtor rural, de porte pequeno, médio e grande, está saturado. O grande não está ganhando dinheiro porque o governo toma tudo em imposto. Nós também não temos como sobreviver sem os pequenos produtores rurais, só que eles não têm recurso nenhum, nem incentivo do governo do estado, do governo municipal, não tem nada. Quando chega na época de eleições, fazem alguma coisinha, mas fica nisso. Se eleito formos, teremos bom relacionamento para ajudar não só Itaúna, mas o Centro-Oeste mineiro”, afirmou.

Estratégia política

 Segundo Isac Vieira, para que a sigla a qual está filiado eleja um deputado estadual, são necessários entre 20 e 25 mil votos. E, para contornar a divisão dos eleitores, entre os muitos candidatos do município, a agremiação está trabalhando em cerca de 40 cidades. “Em Itaúna, todo mundo quer concorrer, então eu estou atuando fora. Nós queremos uma campanha tranquila, que não vai gastar muito dinheiro, pelo fato de eu já ter contato em vários outros municípios, por causa do meu trabalho ao longo dos anos”, explicou.

Ainda segundo ele, o PRTB tem como estratégia buscar pelo menos cinco vagas na ALMG, por meio do quociente partidário.

 “O partido conta com 116 candidatos, a maioria já foi testada nas urnas, nós temos média de 30 a 40 ex-prefeitos, vereadores com mandatos em Belo Horizonte, esses têm média de 15 a 20 mil votos. O único que não foi testado na urna dessa chapa fui eu. Se todos os 116 candidatos do PRTB tiverem seis mil votos, nós vamos ter uma média de 600/700 mil votos, o que faria cinco deputados, faria bancada. Se fizermos bancada, teremos uma facilidade muito grande, como apoiador político. Pretendemos manter bom relacionamento com o governador, com nossos colegas na Assembleia, então, teremos força e é isso que ajuda a nossa cidade, força política. Nós temos que ter relacionamento”, concluiu.

 Convenção partidária

 O PRTB confirmou o nome de Isac Vieira pela legenda como candidato a deputado estadual na convenção partidária, realizada no último domingo, 29, em Belo Horizonte. Agora, é preciso aguardar o prazo de abertura para registro oficial da candidatura, após o encerramento do período estabelecido para os encontros das agremiações. O PRTB definiu que 116 candidatos vão disputar uma cadeira na Assembleia e 80 uma vaga na Câmara.

Deixe um comentário

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd