Domingo, 24 Setembro 2017

Documentos para credenciamento do Centro de Oncologia são adequados e seguem para Brasília

Publicado em Saúde Segunda, 04 Setembro 2017 11:30
Avalie este item
(0 votos)

A provedora do Hospital Manoel Gonçalves, Marilda Chaves, e o chefe da Vigilância Sanitária Municipal, Leandro Rodrigo Pereira de Matos, se reuniram nesta quarta-feira, 30, com as referências técnicas de estrutura física e doenças crônicas da Secretaria de Estado de Saúde. Na pauta do encontro, os documentos para credenciamento do Centro de Oncologia de Itaúna, que já haviam sido liberados pela Regional, mas precisaram passar por adequações. Após as alterações exigidas pelo Ministério da Saúde, o processo foi aprovado e segue novamente para Brasília, aonde, de acordo com expectativa dos envolvidos, chega entre 15 e 25 dias. 

A instalação do serviço é muito aguardada por pacientes da cidade em tratamento de câncer, visto que esses precisam se deslocar a Divinópolis ou Belo Horizonte para sessões de quimioterapia e radioterapia. A construção do Centro de Oncologia foi iniciada em 2013, nas dependências do Hospital Manoel Gonçalves. A obra foi viabilizada pela parceria entre a Casa de Caridade e o governo de Minas Gerais, sendo orçada em mais de R$ 1,2 milhão. Do montante, R$ 900 mil vieram do Estado. A implantação tem ainda o apoio da Associação de Voluntários no Apoio ao Combate ao Câncer em Itaúna – Avacci. Inicialmente, a unidade oferecerá apenas a quimioterapia. A Avacci realizou diversas campanhas voltadas à arrecadação de fundos para aquisição dos equipamentos e mobiliário. Falta apenas o credenciamento junto ao Ministério da Saúde para que o serviço comece a funcionar. 

Essa foi uma das questões tratadas pelo chefe do Executivo em audiência com o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, na semana passada. Durante a reunião, no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, acompanhado do deputado estadual Agostinho Patrus, o prefeito pediu a intervenção de Pimentel para que o Centro de Oncologia seja liberado o mais breve possível.  

O  Estado já estabeleceu o teto para os repasses mensais, visto que a habilitação, com base na população que será atendida, está garantida, pois, no caso do Centro-Oeste, são mais de 1,3 milhão de habitantes, que dependem de Divinópolis. A norma estabelece uma unidade a cada 500 mil pessoas.

Deixe um comentário

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd